Eficiência Energética em grandes empreendimentos: como reduzir meus custos?

Card image cap

Sabemos o quanto o gasto com energia impacta o mercado das indústrias e comércios. Nas grandes indústrias, esse valor chega a bater o preço que é pago aos funcionários deste tipo de empresa, por exemplo. Várias metodologias são utilizadas para redução de gastos com energia em empresas desse segmento e iremos abordar algumas delas nesse post, mas antes, é preciso entender como funciona a conta de energia neste caso.

Para grandes consumidores classificados como grupo A, temos o seguinte exemplo de conta:

Tela de celular com texto preto sobre fundo brancoDescrio gerada automaticamente

Imagem 1: exemplo de conta de energia.

Há alguns pontos que devem ser observados na conta (acima), são eles:

  • Enquadramento tarifário;

  • Demanda Ativa/Demanda Ativa Ultrapassagem;

  • Consumos Ativos Na Ponta;

  • Consumos Reativos.

Para o Enquadramento Tarifário, é conveniente verificar sempre se sua empresa, ao longo do tempo, não está perdendo dinheiro com isso, pois o enquadramento tarifário correto pode minimizar custos evitando cobranças desnecessárias para os consumidores. Como isso funciona:

Consumidores grandes e médios pagam uma tarifa binômia, ou seja, tem duas partes. Uma parte referente ao seu consumo (que é medido em kWh) e outra parte referente à demanda (medida em kW). Para fazer isso de forma adequado é preciso entender um pouco mais sobre o que é o enquadramento tarifário.

Os consumidores de média e alta tensão são cobrados tanto pela demanda (kW) quanto pela energia consumida (kWh). E eles podem optar pelas seguintes modalidades de enquadramento tarifário, escolhendo o melhor para o seu caso, conforme as características de sua curva de carga durante o dia e durante a noite:

  • Tarifação azul;

  • Tarifação verde.

Você pode entender melhor como funciona as formas de tarifação no nosso blog sobre Enquadramento Tarifário – Classificação de consumidores (http://lumusengenharia.com.br/blog/post/enquadramento-tarifario/)

Como escolher o melhor enquadramento tarifário para a minha empresa?

Embora não seja de todo complexa a forma da tarifação de energia para os médios e grandes consumidores, é um fato notório que tanto a escolha adequada da demanda contratada como da melhor opção de enquadramento tarifário deve ser estudada e levada a efeito por empresas ou profissionais especializados. Só assim o consumidor terá certeza de que optará por aquilo que é melhor para o seu tipo de negócio e seu regime de operação e funcionamento.

E como proceder se o enquadramento tarifário da minha empresa não é o correto?

Portanto, se a sua empresa quer realmente saber se está enquadrada de maneira correta na cobrança de energia elétrica você precisa de um profissional especializado para descobrir se você está pagando conforme o seu enquadramento, ou se está pagando valores a mais. Hoje, a LUMUS Engenharia está apta a fazer o enquadramento tarifário necessário para grandes indústrias por meio do serviço de análise tarifária.

Sobre a contratação da demanda da minha empresa, o que fazer?

Analisando ainda a Demanda Ativa, temos a o exemplo abaixo para visualizar melhor.

Imagem 2: exemplo de gráfico de demanda da conta de energia.

Na fatura de energia elétrica existe um item chamado Demanda, Demanda Ponta ou Demanda Fora Ponta. E você pode estar pagando mais do que precisava só porque não realizou a contratação adequada da sua demanda! Mas como saber se a demanda contratada está adequada ou não ao meu perfil consumo de energia elétrica? Vamos começar por partes para chegar na demanda ideal.

Demanda é a potência necessária para suprir uma unidade consumidora e consumo é a potência utilizada no tempo, sendo demanda expressa em kW e consumo em kWh. Fazendo analogia com um caminhão de carga, a demanda é capacidade que a carreta consegue carregar e o consumo é a carga transportada durante uma viagem.

As unidades consumidoras classificadas no Grupo A devem firmar um contrato de demanda com a Distribuidora de Energia Elétrica que lhe atende, tendo valor e período de vigência fixados em contrato. Tal acordo tem a intenção de manter os consumidores dentro dos limites contratados, a fim de evitar sobrecarga no sistema elétrico por falta de planejamento por parte do consumidor.

A demanda contratada pela sua empresa atualmente pode estar dimensionada da forma correta; superdimensionada fazendo com que você pague mais do que precisa para o atual consumo; ou subdimensionado, fazendo com que o segmento pague multas por ultrapassagens.

As concessionárias cobram de forma diferente em algum momento do dia? Como isso funciona?

Outro fator muito importante a ser analisado é o consumo ativo na ponta e fora ponta. O período fora ponta compreende o período do dia onde o consumo de energia elétrica é mais baixo, ou seja, a capacidade máxima das linhas de transmissão de energia está longe de ser atingida. Durante este período, as tarifas de energia elétrica e demanda não sofrem nenhum acréscimo. Isso ocorre principalmente para estimular o consumo durante essas horas do dia, refletindo num maior aproveitamento da capacidade das linhas de transmissão.

O período fora ponta compreende, geralmente, o intervalo das 00:00 às 17:30 e das 20:30 às 23:59, embora esse período possa variar de concessionária para concessionária. Já o período de ponta, é o de três horas consecutivas, exceto em sábados, domingos e feriados nacionais, definido pela concessionária, em função das características de seu sistema elétrico. No caso do Rio Grande do Norte, por exemplo, a Cosern adota o período das 17:30 às 20:30.

Visto isso, a LUMUS Engenharia faz o Estudo da Viabilidade do Gerador ou a Gestão do Gerador (caso já exista no empreendimento), para que ele possa ser usado no horário de ponta e assim, abata seu consumo nesse horário. Você pode entender melhor sobre esse assunto aqui no nosso postblog (https://www.lumusengenharia.com.br/blog/post/geradores-eletricos/).

O que é o consumo reativo e o que ele pode alterar na minha conta de energia?

Dentro do Consumo Reativo, sabemos que a energia elétrica é composta por duas componentes: Ativa e Reativa. A energia ativa é a parte que efetivamente permite o funcionamento dos equipamentos elétricos e eletrônicos. Já a reativa é a parte que gera os fluxos magnéticos necessários para o funcionamento de motores indutivos. O Consumo Reativo Excedente é a penalidade é imposta pela Distribuidora quando a instalação consumidora estiver afetando de forma negativa todo o sistema elétrico por possuir muitos motores e não estar dotada de capacitores suficientes para compensar a excessiva reatância indutiva gerada pelos primeiros.

Esse excesso de potência reativa indutiva que possui nos motores, faz com que o Fator de Potência da unidade consumidora apresente valor abaixo de 92%, que é o mínimo permitido pela regulamentação da ANEEL, prejudicando todo o funcionamento das instalações elétricas do consumidor e também dos outros consumidores.

Então, as distribuidoras penalizam esse Baixo Fator de Potência, para que os consumidores realizem a correção de forma conveniente em suas instalações. A LUMUS Engenharia elabora estudos e projetos para aumentar o Fator de Potência, encarregando-se de todos os trâmites necessários para comprovar junto à distribuidora, que o excesso de reatância indutiva foi eliminado pela instalação dos capacitores de compensação.

Além de eliminar a multa que vem todo o mês na fatura, a correção do Fator de Potência provoca os seguintes benefícios adicionais à instalação:

1. Os condutores aquecem menos;

2. As variações de tensão diminuem;

3. Reduzem-se as perdas de energia;

4. Os transformadores têm melhor aproveitamento de sua capacidade;

5. A vida útil dos equipamentos aumenta;

6. Há uma utilização mais racional da energia consumida.

Para que a sua indústria consiga reduzir custos com energia elétrica, conhecer seu perfil de consumo e avaliar o consumo de energia na ponta e fora ponta é de extrema importância e pode trazer resultados satisfatórios com ações simples de serem implementadas. Através de uma boa Gestão de Energia (https://www.lumusengenharia.com.br/blog/post/razoes-para-aplicar-a-gest%C3%A3o-energ%C3%A9tica/) e implementação de ações que levem a uma maior eficiência energética, atrelada a um acompanhamento constante do perfil de consumo, é possível detectar o consumo excessivo de energia elétrica. Conte com a LUMUS Engenharia para traçar melhores soluções para seu empreendimento!

Por Joyce Oliveira

Você vai se interessar também

Card image cap
Fator de Carga: sua empresa está consumindo energia de forma eficiente?

Saiba como o fator de carga influencia na redução da sua conta.

Card image cap
Importância das subestações de energia

Para que serve uma subestação de energia? Por que é tão importante para distribuição de energia? Entenda agora suas funções e características.

Card image cap
Instalação de Geradores: Como garantir que ocorra de forma segura

Entenda como funciona o processo de instalação de um grupo gerador elétrico.