Sistemas de Para-Raios: proteção e segurança para o seu edifício.

Card image cap

Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o Brasil é considerado o país campeão em incidência de raios, registrando uma média de 77,8 milhões de raios por ano que chegam a ocasionar cerca de R$ 1,2 bilhões em prejuízos. Este fato possui uma explicação geográfica: o Brasil é o maior país da zona tropical do planeta, onde o clima é mais favorável à formação de tempestades e de raios devido às temperaturas elevadas.

Brasil é o país campeão em incidência de raios. Fonte: Tempo Agora.

Os raios são descargas atmosféricas elétricas de grande intensidade, produzidos devido o contato entre as nuvens de chuva durante uma tempestade. Através do atrito, a carga é gerada na atmosfera e descarregada na terra, percorrendo distâncias da ordem de 5 Km. A intensidade da descarga de um raio varia de 2 mil a 200 mil ampére, podendo ocasionar danos em diferentes escalas, como explosões de transformadores da rede de energia, queima de eletrodomésticos e até mesmo a destruição total de residências que venham a ser atingidas.

Onde os raios costumam cair?

O raio sempre procura o caminho de menor “resistência” entre a nuvem e o solo. Diante disso, pontos altos e pontiagudos favorecem o início da descarga elétrica como torres metálicas, topos de montanhas, edifícios altos, antenas externas, árvores isoladas, casas em campos abertos e redes elétricas.

Como proteger seu edifício, residência ou construção das tempestades de raios?

O para-raio é a principal forma de se proteger contra essas intempéries da natureza, o qual permite que a descarga elétrica possa chegar até o solo sem entrar em contato com a edificação e com as pessoas que se encontram em seu interior, evitando danos à estrutura e a vida humana. É válido ressaltar que o para-raio não interrompe o raio mas permite que a descarga elétrica seja conduzida de forma segura até o solo.

Como os para-raios funcionam?

De modo geral, os para-raios são compostos por três componentes básicos:

Terminais Aéreos: Instalados no ponto mais alto da edificação, são responsáveis por atrair os raios. São compostos por uma haste de metal de cobre, alumínio ou aço.

Condutores de Descida: São responsáveis por conduzir a carga elétrica do raio recebida pelos terminais aéreos até os terminais de aterramento. Normalmente, são feitos com revestimento de cobre.

Terminais de Aterramento: São responsáveis por dissipar a descarga elétrica no solo. São compostos por uma placa de cobre ou revestida por cobre enterrada no terreno da construção. O nível de aterramento varia de acordo com as características do solo.

Tipos de Para-Raios

Os tipos de para-raios mais comuns no Brasil são o para-raio de Franklin e o para-raio de Melsens:

  • Para-raio de Franklin: É composto por uma haste metálica que desce até o solo e toda a energia do raio é conduzida através desse cabo único. Este é o modelo mais comum no país.

  • Para-raio de Melsens: Este modelo também é conhecido como “Gaiola de Faraday” e, ao contrário do modelo de Franklin, é composto por uma série de hastes condutoras. É instalada uma malha de fios metálicos no topo do edifício, a qual lembra uma gaiola.

Muitos especialistas indicam a instalação dos dois tipos de para raio, oferecendo uma maior proteção à edificação com a operação dos dois modelos.

Regras e Normas sobre Para-Raios no Brasil

A Norma NBR 5419 serve como base para a instalação e manutenção de para-raios e os Sistemas de Proteção Contra Descargas Atmosféricas (SPDA). Esta norma também define qual a exigência de para-raios e SPDAs para edificações específicas como imóveis com ocupação residencial privativa multifamiliar, com 20 metros ou mais de altura ou área construída de 750 m² ou mais, informações apresentadas detalhadamente no blog post da LUMUS, Proteção contra raios? Entenda o SPDA. Além da norma nacional, alguns estados brasileiros contam com a própria legislação, sendo assim, os condomínios precisam respeitar a NBR 5419 e ainda adequar-se às especificidades das regras da região onde se encontram.

A falta de equipamentos ou a necessidade de manutenção no sistema de proteção contra descargas atmosféricas impede a emissão do atestado para funcionamento fornecido pelo Corpo de Bombeiros, sendo assim, a edificação fica passível de sanções administrativas.

E aí? Compreendeu a importância dos sistemas de para-raios para a sua segurança? O Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas (SPDA) do seu edifício está regularizado? Contate agora a LUMUS para uma avaliação gratuita da proteção e segurança da sua edificação!

Por Fernanda Medeiros



Você vai se interessar também

Card image cap
O que é selo LEED, e como posso aplicá-lo na minha empresa?

Saiba mais sobre o selo LEED e todas os seus pré-requisitos que tornam sua empresa eficiente.

Card image cap
SPDA: Como saber se eu preciso?

Nesse tempo de muita chuva e grande incidência de raio, é sempre bom ter conhecimento para tomar as precauções necessárias para se manter seguro.

Card image cap
Smart grid: O que a rede de um futuro não tão distante nos reserva?

Entenda como funciona a tecnologia Smart Grid e como ela pode impactar a geração de energia.